Sexta-feira, Agosto 14, 2020
Inicio Cinema Filme: Yvone Kane - Revisão

Filme: Yvone Kane – Revisão

Há uma ligação forte do cinema de Margarida Cardoso às memórias coloniais portuguesas e, especificamente, com a história e o território moçambicanos, diz Luís Miguel Oliveira

Há uma ligação forte do cinema de Margarida Cardoso às memórias coloniais portuguesas e, especificamente, com a história e o território moçambicanos.

Várias foram já as incursões da realizadora por esse domínio temático, quer no seu trabalho documental quer nos seus filmes de ficção, nomeadamente no mais célebre e mais conseguido, A Costa dos Murmúrios, de 2004, a partir do romance de Lídia Jorge. Yvone Kane, que é a sua primeira longa-metragem em praticamente dez anos, reata a relação – embora sem que o país seja nomeado, é Moçambique – num filme que não deixa de se ver com uma espécie de reflexo descarnado de A Costa dos Murmúrios (tal como este, protagonizado por Beatriz Batarda), como se, entre outras coisas, lhe removesse o élan romanesco para ficar com um movimento mais contemplativo e introspectivo, e partir ao encontro dos seus fantasmas.

Não se trata de reconstituição de época – o tempo é contemporâneo – mas, a partir da “protagonista ausente” que dá título ao filme (uma ex-revolucionária de destino incerto no período após a independência) ir reconstituindo, ao ritmo e aos modos de um filme-inquérito, o trajecto de um país africano de expressão ao longo dos quarenta anos que passaram desde a guerra e a descolonização.

Este é o fundo, o âmago do filme, dado por sinais, histórias pessoais relatadas pelas personagens que a protagonista encontra, episódios que saltam do limbo das memórias. No primeiro plano acaba por estar aquilo que corre menos bem – uma linha ficcional centrada na relação entre as personagens de Beatriz Batarda (uma jornalista portuguesa que volta a África espicaçada por uma dica sobre a tal Yvone Kane) e da sua mãe (a actriz brasileira Irene Ravache), que não voltou para Portugal e ficou em África depois do tempo colonial. Corre menos bem, dissemos, porque é relativamente desproporcionada a importância

dramatúrgica que lhe é conferida, bastante além do mero pretexto, do mero fil rouge, e a intensidade dela resultante. Falha aí alguma coisa, porque a generalidade das cenas com as duas redunda mais em tempos mortos, “intervalos”, do em algo de mais significativa. Isso aparece, sim, quando o filme olha em redor, e quando lança a sua protagonista na paisagem – os momentos mais fortes de Yvone Kane não dispensam essa componente “documental” integrada na ficção, e no limite vivem deles, na expressão concreta das ruínas de um modo de vida colonial (por aqui, sobretudo, passa a ideia de uma relação deliberada com A Costa dos Murmúrios), na sugestão do “feitiço” da natureza africana, na sinalização de todas as contradições que marcam hoje a vida e estruturas sociais dos países nascidos das ex-colónias portuguesas em África. É quando investe nesse poder de síntese evocativo, mais eloquente do que as palavras, os diálogos ou a intriga, que Yvone Kane melhor se consegue.

Receber notícias por e-mail

Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento. Ao se inscrever no nosso newsletter, você concorda com nossos Termos de uso e Política de privacidade.

- PUBLICIDADE -
Top Stories

XipalaPala podcast

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

500 Moçambicanos repatriados pelas autoridades sul-africanos

Um número de 500 moçambicanos foi repatriado ao seu país de origem pelas Autoridades Sul-africanas, como medida de prevenção...

A história do Banco de Moçambique

O Banco de Moçambique (BM) é o banco central da República de Moçambique, criado em 1975, dia 17 de...

Suicídio é a segunda principal causa de morte entre os jovens

A cada 40 segundos, uma pessoa morre de suicídio no mundo. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS)...

África CDC e parceiro lançam ferramentas para avaliar o impacto e propagação da COVID-19

O Centro Africano para Controle de Doenças (África CDC) e a agência African Risk Capacity (ARC) anunciaram ontem o...

Cidade de Maputo atinge nível de transmissão comunitária da COVID-19

A cidade de Maputo passou ao padrão de transmissão comunitária da COVID-19. A declaração foi feita pelo Ministério da...
- PUBLICIDADE -

Filme: O Resgate – Revisão

Nos últimos dez anos, os raptos em Moçambique tornaram-se frequentes e têm sido uma dor de cabeça para as autoridades judiciais. O tema aparece agora retratado...

Série: Queen Sono – Rainha do Sono

Queen Sono é a primeira série de roteiros para tela da Netflix produzida na África, um testemunho das peças criativas do criador do programa, Kagiso...

Blood and Water – Sangue e Água

No início deste ano, o diretor de conteúdo da Netflix , Ted Sarandos, e uma equipe de executivos viajaram pelo continente africano, reunindo-se com criativos locais, como parte de...

Filme: O Último Vôo do Flamingo

Logo após o fim da guerra civil em Moçambique, estranhas explosões fazem desaparecer cinco soldados das forças de paz das Nações Unidas. Deles sobrou...

Filme: The Train of Salt and Sugar

Durante a fase final da Guerra Civil Moçambicana, que durou 15 anos entre as décadas de 1970 e 1990, rebeldes anti-governo bem armados cortaram...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here