Domingo, Janeiro 17, 2021
Inicio Cinema Filme: Yvone Kane - Revisão
- PUBLICIDADE -

Filme: Yvone Kane – Revisão

Há uma ligação forte do cinema de Margarida Cardoso às memórias coloniais portuguesas e, especificamente, com a história e o território moçambicanos, diz Luís Miguel Oliveira

Há uma ligação forte do cinema de Margarida Cardoso às memórias coloniais portuguesas e, especificamente, com a história e o território moçambicanos.

Várias foram já as incursões da realizadora por esse domínio temático, quer no seu trabalho documental quer nos seus filmes de ficção, nomeadamente no mais célebre e mais conseguido, A Costa dos Murmúrios, de 2004, a partir do romance de Lídia Jorge. Yvone Kane, que é a sua primeira longa-metragem em praticamente dez anos, reata a relação – embora sem que o país seja nomeado, é Moçambique – num filme que não deixa de se ver com uma espécie de reflexo descarnado de A Costa dos Murmúrios (tal como este, protagonizado por Beatriz Batarda), como se, entre outras coisas, lhe removesse o élan romanesco para ficar com um movimento mais contemplativo e introspectivo, e partir ao encontro dos seus fantasmas.

Não se trata de reconstituição de época – o tempo é contemporâneo – mas, a partir da “protagonista ausente” que dá título ao filme (uma ex-revolucionária de destino incerto no período após a independência) ir reconstituindo, ao ritmo e aos modos de um filme-inquérito, o trajecto de um país africano de expressão ao longo dos quarenta anos que passaram desde a guerra e a descolonização.

Este é o fundo, o âmago do filme, dado por sinais, histórias pessoais relatadas pelas personagens que a protagonista encontra, episódios que saltam do limbo das memórias. No primeiro plano acaba por estar aquilo que corre menos bem – uma linha ficcional centrada na relação entre as personagens de Beatriz Batarda (uma jornalista portuguesa que volta a África espicaçada por uma dica sobre a tal Yvone Kane) e da sua mãe (a actriz brasileira Irene Ravache), que não voltou para Portugal e ficou em África depois do tempo colonial. Corre menos bem, dissemos, porque é relativamente desproporcionada a importância

dramatúrgica que lhe é conferida, bastante além do mero pretexto, do mero fil rouge, e a intensidade dela resultante. Falha aí alguma coisa, porque a generalidade das cenas com as duas redunda mais em tempos mortos, “intervalos”, do em algo de mais significativa. Isso aparece, sim, quando o filme olha em redor, e quando lança a sua protagonista na paisagem – os momentos mais fortes de Yvone Kane não dispensam essa componente “documental” integrada na ficção, e no limite vivem deles, na expressão concreta das ruínas de um modo de vida colonial (por aqui, sobretudo, passa a ideia de uma relação deliberada com A Costa dos Murmúrios), na sugestão do “feitiço” da natureza africana, na sinalização de todas as contradições que marcam hoje a vida e estruturas sociais dos países nascidos das ex-colónias portuguesas em África. É quando investe nesse poder de síntese evocativo, mais eloquente do que as palavras, os diálogos ou a intriga, que Yvone Kane melhor se consegue.

Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento. Ao se inscrever no nosso newsletter, você concorda com nossos Termos de uso e Política de privacidade.

- PUBLICIDADE -
Top Stories

XipalaPala podcast

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

Fundo Global doa 8,54 biliões para combater tuberculose e malária no mundo

O Fundo Global assinou 157 doações para programas de salvamento de vidas de pessoas com HIV, tuberculose e malária....

COVID-19: AU reserva 270 milhões de doses de vacina para África

A União Africana (UA) reservou 270 milhões de doses de vacina contra o novo coronavírus que serão distribuídas no...

Cirurgias de cataratas reduzem para metade em Moçambique

O número de cirurgias de catarata no país reduziu de 10 mil em 2019 para cinco mil em 2020....

Cerca de 260 milhões de pessoas fazem suas casas de escritórios no mundo

Cerca de 260 milhões de pessoas no mundo faziam suas de escritórios antes da pandemia da COVID-19. Os números...

COVID-19: África garante cerca de 300 milhões de doses da vacina

África garante cerca de 300 milhões de doses de vacina contra a COVID-19. A acção foi considerada o maior...

África do Sul propõe 30% de conteúdo local na Netflix para aumentar as receitas das Licenças de Televisão

O Departamento de Comunicações e Tecnologias Digitais da África do Sul (DCDT) está a trabalhar no sentido de impor 30% de conteúdos locais em...

Filme: O Resgate – Revisão

Nos últimos dez anos, os raptos em Moçambique tornaram-se frequentes e têm sido uma dor de cabeça para as autoridades judiciais. O tema aparece agora retratado...

Série: Queen Sono – Rainha do Sono

Queen Sono é a primeira série de roteiros para tela da Netflix produzida na África, um testemunho das peças criativas do criador do programa, Kagiso...

Blood and Water – Sangue e Água

No início deste ano, o diretor de conteúdo da Netflix , Ted Sarandos, e uma equipe de executivos viajaram pelo continente africano, reunindo-se com criativos locais, como parte de...

Filme: O Último Vôo do Flamingo

Logo após o fim da guerra civil em Moçambique, estranhas explosões fazem desaparecer cinco soldados das forças de paz das Nações Unidas. Deles sobrou...

Filme: The Train of Salt and Sugar

Durante a fase final da Guerra Civil Moçambicana, que durou 15 anos entre as décadas de 1970 e 1990, rebeldes anti-governo bem armados cortaram...
- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here